• Atari 2600 pode ser relançado no Brasil


    Um trailer divulgado nesta segunda-feira (20) sugere que o Atari 2600, console clássico que fez parte da infância de muita gente, vai ser relançado no Brasil.  Nos Estados Unidos, o Atari Flashback 7, versão do dispositivo, está disponível ao consumidor desde novembro do ano passado. A empresa criou também a página Classic Games, que contém o vídeo (abaixo) e pede aos usuários que se inscrevam para mais novidades:

    Por enquanto, não há informações sobre data de lançamento, disponibilidade e preço do produto.

    Fonte: Olhar Digital

  • Netflix pode lançar conteúdo editado especificamente para celular


    A Netflix considera a possibilidade de disponibilizar filmes e séries que tenham cortes diferentes para consumo em dispositivos móveis. Em um evento realizado nesta quarta-feira (15) em São Francisco, na Califórnia, os executivos da empresa disseram que o assunto tem sido debatido internamente. O que se pretende é fazer com que seja mais agradável assistir a algo no celular ou no tablet. Isso poderia ser arranjado através da edição, por exemplo, fazendo com que, nos dispositivos móveis, o filme ou série tenha mais foco em close-ups e deixe as cenas filmadas a distância para aparelhos como computadores e TVs.

    A companhia informou que o consumo mobile cresceu 25% no mundo todo ao longo do último ano, principalmente em países em desenvolvimento, como Índia e Brasil. Isso fez com que a Netflix começasse a refletir sobre a qualidade do que está sendo consumido dessa forma.

    Fonte: Olhar Digital

  • Crianças que só veem Netflix podem não entender o que é um comercial


    Depois de reportar que a Netflix “salva” as crianças de uma média de 150 horas de intervalos comerciais por ano, um site de análises voltadas para séries e serviços de streaming. resolveu fazer uma pesquisa sobre como anda a percepção dos pequenos espectadores em relação ao mercado publicitário. E o resultado pode servir de alerta para o setor. De acordo com o levantamento, 82% das crianças que vivem em casas onde o conteúdo televisivo tradicional não entra sequer sabem o que é um comercial. Essa taxa cai para 38% nos lares em que a Netflix disputa espaço com os canais abertos e fechados.

    Fonte: Olhar Digital