Vendas de vinil ultrapassam as de CDs pela 1ª vez desde 1986

O ano de 2020 foi extremamente difícil para o mercado da música, mas ele pode ficar marcado também como o ano da reafirmação do vinil. Nos Estados Unidos, o formato superou os álbuns de CD em 2020, de acordo com novos dados do corpo da indústria da RIAA, a Associação Americana da Indústria de Gravação. Foi a primeira vez que o vinil superou as receitas anuais do CD nos EUA desde 1986. Os LPs e EPs de vinil geraram US$ 619,6 milhões em gastos no varejo no ano (quase R$ 3 bilhões e meio) e foram US$ 136 milhões (mais de R$ 700 milhões) a mais do que o valor total gasto pelos fãs de música dos EUA em álbuns de CD nos mesmos 12 meses. As vendas de vinil em 2020 cresceram 29,2% no ano, contra uma queda de 23,4% na comercialização de CDs.

+ Festival de Berlim começa com formato digital e novidades

Surpreendentemente, em grande parte graças ao aumento das vendas de vinil, além de um aumento nas compras de videoclipes físicos, as receitas globais de música física nos Estados Unidos mal diminuíram em 2020, apesar dos bloqueios do coronavírus em todo o país. O registro de queda desse mercado ficou em 0,5%. A música física reivindicou 9% das receitas globais no ano. O maior contribuinte para as receitas da indústria de gravação foi, naturalmente, o streaming, que gerou US$ 10,1 bilhões – no valor de 83% das receitas totais de varejo da indústria dos EUA. A indústria fonográfica dos EUA gerou US$ 12,2 bilhões em todos os formatos em 2020, diz a RIAA, um aumento de 9,2% em relação ao ano anterior.

O álbum de vinil mais vendido nos EUA no ano passado, de acordo com o MRC Data, foi Fine Line de Harry Styles (232 mil vendas de vinil), seguido por When We All Fall Sleep Where Do We Go? de Billie Eilish (196 mil vendas de vinil) e o Greatest Hits do Queen (176 mil vendas de vinil).

Fonte: Rádio Rock | Foto: Unsplash