Universal enfrenta ação coletiva por perda de gravações em incêndio

Representantes do rapper Tupac Shakur e do roqueiro Tom Petty, ambos falecidos, integram um grupo que busca uma indenização de pelo menos 100 milhões de dólares do Universal Music Group (UMG) pela perda de gravações valiosas em um incêndio no ano de 2008. O processo coletivo, iniciado na última sexta-feira (21), é o primeiro contra o UMG desde que o The New York Times publicou uma investigação que revelou a destruição de cerca de 500 mil gravações, entre elas fitas originais, durante um incêndio ocorrido em junho de 2008. Citando cláusulas contratuais de gravação, os artistas alegam que têm direito a pelo menos metade do montante deste acordo, que poderia ter um valor estimado em, pelo menos, 150 milhões de dólares, segundo documentos da corte.

+ Rolling Stones | Mick Jagger faz primeiro show após cirurgia cardíaca

Entre os trabalhos que supostamente foram consumidos pelas chamas estão os de artistas como Billie Holiday, Louis Armstrong, Bing Crosby, Ella Fitzgerald, Sonny e Cher, Joni Mitchell, Eric Clapton, Elton John, Janet Jackson e Nirvana. As chamadas ‘master recordings’ são fontes únicas utilizadas para criar vinis, CDs e cópias digitais. A perda deste material afeta, principalmente, edições póstumas e o lucrativo negócio das reedições. O diretor executivo do UMG, Lucian Grainge, disse que a empresa deve “transparência” aos artistas sobre a destruição provocada pelo incêndio, mas, desde a revelação do New York Times, a empresa vem minimizando o prejuízo.

Fonte: Destak | Foto: Divulgação