Respirador criado por voluntários deve ser testado na próxima semana

Está prevista para a próxima segunda-feira (6), no Hospital Geral, a testagem de um protótipo de respirador mecânico para ventilação pulmonar desenvolvido por engenheiros, técnicos e outros voluntários, sob a orientação de médicos e coordenação do Parque de Ciência, Tecnologia e Inovação da Universidade de Caxias do Sul – TecnoUCS. A iniciativa pretende equipar a rede hospitalar regional para o atendimento de pacientes que vierem a ser acometidos pela Covid-19.

+ Coronavírus | UCS passa a produzir solução recomendada pela OMS

Com mais de 30 pessoas envolvidas continuamente desde a formação do grupo de trabalho, na terça, dia 24, o projeto foi inteiramente desenvolvido por empresas e profissionais de Caxias do Sul, a partir dos conceitos necessários para o atendimento provocado pela pandemia do coronavírus. Embora o protótipo esteja quase pronto, melhorias técnicas estão sendo feitas para garantir o desempenho, eficiência e segurança necessários ao uso hospitalar. A intenção é acionar a produção assim que o protótipo for aprovado, tendo como meta a fabricação e 100 unidades em um primeiro momento, visando atender os hospitais de Caxias e região. A logística de distribuição será definida na próxima semana.

+ É #FAKE que ingestão de alimentos alcalinos evita Covid-19

Enquanto isso, outro grupo de trabalho atua na produção de mangueiras e de um derivador, componente a ser acoplado na saída de ar dos tubos de oxigênio, para que até quatro pacientes possam ser ventilados simultaneamente – normalmente o respirador é de uso individual. O molde do componente está pronto e a produção deve se iniciar nos próximos dias. Além disso, a Universidade de Caxias do Sul deslocou para o Hospital Geral 11 respiradores mecânicos que normalmente são usados por cursos da Área de Ciências da Vida. Seis unidades eram disponibilizadas para as práticas de Técnica Cirúrgica, no Laboratório de Anatomia, e outras cinco na Clínica Veterinária. No caso desses últimos, como os princípios técnicos do equipamento são os mesmos, eles podem ser adaptados para o atendimento de urgência em humanos. | Foto: Divulgação

Central de Conteúdo UCSfm