‘Reclamam da morte do rock, mas depois criticam a gente’, diz Greta Van Fleet

Uma nova entrevista com o Greta Van Fleet e mais uma vez as perguntas também se direcionam às críticas recebidas pela banda por conta da semelhança entre o som deles e da icônica Led Zeppelin. A banda, que se apresentou no Lollapalooza 2019, em São Paulo, com destaque e bom público presente, agora foi questionada pelo jornal Miami New Times sobre o tema e, principalmente, sobre as críticas que recebem. Samuel Kiszka, baixista do Greta Van Fleet, foi o escolhido da vez para ser o porta-voz do grupo.

Em uma escala maior, [as críticas] não importam. A gente prefere nos distanciar daquilo que pensam da gente. Se você se envolve demais, você vai acabar tentando agradar demais aos outros. É por isso que a indústria da música está tão sem criatividade atualmente”, disse.

+ ‘Vingadores: Ultimato’ atinge 2ª maior bilheteria da história em 11 dias

Para Samuel, os comentários maldosos que recebem estão diretamente ligada a isso.

Reclamam que o rock está morto, mas depois nos criticam. Será que as pessoas não ficaram felizes com o ressurgimento do rock? O rock n’ roll sempre esteve no underground. Muitas pessoas preferem que continue assim. A cada movimento de grande escala, há uma força de oposição igualmente forte. Não seria certo se fosse fácil demais”, comentou o baixista.

O Greta Van Fleet está trabalhando em um novo projeto, e com urgência, conforme explicou a banda em outra entrevista recente à Billboard. Até agora, a banda tem apenas um disco lançado, Anthem of the Peaceful Army, de 2018. O álbum é um sucesso: todos os seus quatro singles chegaram ao topo das paradas da Billboard. You’re the One foi a última faixa a atingir o feito, em março deste ano.

Fonte: Rolling Stone | Foto: Aline Krupkoski