Pandemia pode tornar home office permanente em NY

As maiores empresas presente nos escritórios de Nova York, provavelmente, manterão o modelo de home office após o fim da quarentena de coronavírus, segundo o The New York Times. Barclays, JP Morgan Chase e Morgan Stanley são algumas das companhias que já avaliam que a volta das aglomerações nos escritórios não vão ser mais uma opção para os funcionário e que o trabalho em casa deve ser adotado permanentemente. Por outro lado, a Nielsen estuda a possibilidade de três mil funcionários trabalharem de casa na maioria dos dias da semana.

Se você vem trabalhar na sua mesa do escritório, certamente pode fazer isso em casa”, disse David Kenny, chefe da empresa.

+ Nickelback | Clássico da banda vira meme da quarentena

É realmente necessário [ir ao escritório]? Eu estou pensando muito e duramente sobre isso. Olhando para frente, para o futuro, será que as pessoas vão querer ficar aglomeradas em escritórios?”, declarou Diane Ramirez, diretora-executiva da Halstead.

O veículo calculou que apenas três empresas deste grupo são responsáveis por milhares de funcionários na metrópole norte-americana e optar pela volta do trabalho presencial pode afetar a saúde pública da cidade. Além disso, as empresas se surpreenderam com a eficiência do home office durante a pandemia e enxergam vantagens na redução do espaço alocado em uma das cidades mais importantes — e caras — do mundo dos negócios.

Fonte: Rolling Stone | Foto: John Minchillo