Mercado fonográfico do Brasil dispara na pandemia

O mercado fonográfico do Brasil teve notável alta em ano de pandemia. Puxada pelo streaming, a renda com músicas gravadas no país subiu 24,5%. A alta mundial foi de 7,4%. Os dados foram divulgados pela Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI). É o maior crescimento da indústria fonográfica no Brasil em duas décadas, desde o tombo histórico com a revolução do MP3. A última subida maior foi lá em 1996 quando o faturamento com as músicas gravadas subiu 31,1% no país.

+

O relatório da IFPI destaca o crescimento acima da média do país. Foram divulgadas apenas as porcentagens de crescimento, sem os valores brutos. Um cálculo que aplica os índices às receitas anteriores indica um faturamento fonográfico do Brasil em 2020 de US$ 420,7 milhões (R$ 2,3 bilhões). Em 2019, o Brasil saiu da lista de 10 maiores mercados musicais do mundo. Em 2020, o país continua fora desse ranking, mesmo com a alta acima da média. A Pro-Música Brasil, associação de gravadoras no país, ainda vai lançar o relatório anual detalhando os dados brasileiros de 2020.

Fonte: G1 | Foto: Divulgação