Legião Urbana: impasse sobre direitos autorais está no STJ

“Fui chamado por Renato e Bonfá pra tocar numa banda de rock e não para fazer parte de uma empresa”. Foi com essa legenda que Dado Villa-Lobos publicou um comunicado no Instagram nesta segunda-feira (22) para expor a posição dele em relação às questões que envolvem a Legião Urbana. Dado relata que com a morte de Renato Russo, ele e Marcelo Bonfá passaram a ter problemas para manter a igualdade de direitos. O músico diz que o herdeiro de Renato Russo (Giuliano Manfredini), através da Legião Urbana Produções, inviabiliza que ele e Bonfá toquem as músicas da banda. Diz o texto que o herdeiro entrou com uma ação judicial cobrando um terço dos valores recebidos nas turnês LUXXX Anos, realizada pelos remanescentes do grupo, protegidos por decisão judicial.

+ Paulo Ricardo está proibido de cantar músicas do RPM?

De acordo com Dado, atualmente a questão está nas mãos do STJ para “exame mais detido sobre o tema”, no que ele classificou de uma continuidade bizarra das ações provocadas pelo herdeiro de Renato. Bonfá também fez uma publicação semelhante no Instagram para dizer que os interesses e a maneira que a empresa Legião Urbana Produções atua conflitam com os seus interesses pessoais e profissionais, o que dificulta o exercício de seu ofício.

A Legião Urbana Produções tenta agora impedir a decisão judicial que nos reconhece o direto de uso do nome que construímos e também cobra de nós participação econômica do nosso trabalho artístico no ramo do showbusiness, sem ter investido um centavo ou qualquer energia que não fosse a contrária à realização destes trabalhos”, diz o texto de Bonfá.

No início do mês, Giuliano Manfredini autorizou a produtora Gávea Filmes a realizar um documentário sobre Renato Russo e recebeu críticas severas de Marcelo Bonfá.

Fonte: Rádio Rock | Foto: Divulgação