Indústria musical fará dia de silêncio em apoio a protestos

As principais gravadoras da indústria musical norte-americana vão fazer parte da Black Out Tuesday, nesta terça-feira (2), suspendendo os negócios por um dia e trabalhando com comunidades para combater a desigualdade racial. A atitude é uma resposta aos protestos que eclodiram nos EUA por causa da morte de um homem negro, George Floyd, que estava sob custódia policial. Vários artistas importantes também se manifestaram sobre a morte e as manifestações subsequentes.

+ Senado deve votar lei que criminaliza uso de conta falsa

Estamos do lado da comunidade negra”, disse a Universal Music no Twitter, com a hashtag #TheShowMustBePaused.

O negócio da música no WMG não continuará como de costume”, escreveu a Warner Records em sua conta, referindo-se ao Warner Music Group, adicionando que fará doações para a “Black Lives Matter” e outros grupos que lutam contra injustiça racial.

A Sony Music fez um anúncio semelhante, enquanto a Interscope Geffen A&M, parte da Universal, disse que não lançaria nenhuma música nova nesta semana. Em um memorando para a equipe no fim de semana, o presidente da Universal, Lucian Grainge, afirmou que a empresa está montando uma força-tarefa para trabalhar na melhoria de seu desempenho em aspectos como inclusão e justiça social.

Esta semana, mais uma vez, vimos as realidades mais dolorosas da nossa sociedade sobre raça, justiça e desigualdade trazidas — cruel e brutalmente — para a dura luz do dia”, escreveu ele na nota, vista pela Reuters.

Fonte: UOL | Foto: Divulgação