‘Em tempos de repressão surgem as obras mais criativas’, opina Toquinho

Toquinho protagoniza, nesta quinta-feira (25), um dos principais shows do festival Mar de Músicas, em Cartagena (Espanha) junto com os espanhóis Silvia Pérez Cruz e Javier Colina. Em entrevista, o músico elevou ao olimpo musical João Gilberto, que morreu neste mês, e lembrou da criatividade surgida para burlar a ditadura brasileira.

São nos tempos de repressão que surgem as obras mais criativas”, disse em entrevista à Agência Efe Antônio Pecci Filho, conhecido pela alcunha artística de Toquinho.

+ Viúva Negra | Scarlett Johansson compara filme com ‘Logan’

Nesse sentido, o paulista de 73 anos assegurou que “só a arte é capaz de libertar os laços da censura” Na opinião dele, foi isso o que aconteceu na cena musical brasileira nas décadas de 1960 e 1970. Na conversa, Toquinho também falou sobre João Gilberto, que, segundo ele, transcende a própria bossa nova porque foi um “contemporâneo do futuro”, mantendo o samba de raiz com interpretações que fizeram com que o passado se alçasse com “sua suave voz e seu ritmo transformador”.

O universo musical mudou depois de João Gilberto; a bossa é ele; o novo é ele porque a bossa nova é João Gilberto e ninguém esquece o momento exato em que escutou pela primeira vez ‘Chega de saudade’, disse o músico.

Perguntado pela relação do Brasil com Portugal, o país convidado desta edição do Mar de Músicas, Toquinho comentou que o choro, o samba e o fado são gêneros musicais populares e tradicionais e estão vinculados à identidade e à imaginação dos países de origem.

Fonte: UOL | Foto: Andreia Takaishi