É #FAKE que uso de máscara é desencorajado pela OMS

Circula nas redes sociais que o uso de máscaras contra o coronavírus pela população tem sido desaconselhado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e também por governos de outros países. É #FAKE.

O uso generalizado de máscaras tem sido desencorajado em todo o mundo. Até a OMS diz que, se você está saudável, a máscara é indicada apenas caso esteja cuidando de alguém infectado. Na Europa, usa quem quer, não usa quem não quer. Nos EUA, o CDC não recomenda que pessoas saudáveis usem máscaras. Por meio do Twitter, o US Surgeon General solicitou que as pessoas parem de comprar máscara”, diz a mensagem falsa.

O texto se baseia propositalmente numa recomendação antiga da OMS, do período ainda inicial da pandemia, que já foi atualizada meses atrás. A orientação atual é a de que, em locais onde há disseminação comunitária da doença, como no Brasil, “os governos devem incentivar o público em geral a usar máscaras onde houver transmissão difusa e o distanciamento físico for difícil, como em transportes públicos, em lojas ou em outros ambientes confinados ou lotados”. Ou seja, o texto refere-se a todas as pessoas, não só às doentes.

+ Ozzy Osbourne | Documentário ganha novo trailer e data de estreia

Essa orientação difere, de fato, das anteriores, que abarcavam profissionais de saúde que lidam no dia a dia com pacientes com a Covid-19 e também pessoas de grupos de risco, como idosos e indivíduos com doenças pré-existentes, além de cuidadores de idosos. Os posicionamentos anteriores foram revistos, mas a mensagem falsa usa a recomendação como se fosse atual. Cabe lembrar que a revisão de orientações é algo que faz parte da dinâmica de uma doença nova, sobre a qual pouco se sabia no começo do ano, mesmo entre médicos. Outro ponto: não é verdade que na Europa inteira o uso é facultativo, como afirma a mensagem falsa. Há previsão de multa para quem não utiliza a proteção na Inglaterra, na Alemanha, na Itália, na Bélgica, na Espanha e em outros países do continente.

Fonte: G1 | Foto: Divulgação