É #FAKE que SP gastará 3 vezes mais para vacinar população

Circula nas redes sociais que o governo federal vai destinar R$ 6 bilhões para vacinar toda a população brasileira, e que o estado de São Paulo, por sua vez, vai usar, sozinho, R$ 22 bilhões. É #FAKE. O governo paulista estima que vai gastar R$ 185,4 milhões na primeira fase do plano de vacinação, na qual vão ser priorizados profissionais de saúde, idosos e grupos indígenas. O início está marcado para o dia 25 de janeiro de 2021. A mensagem falsa exibe um número totalmente irreal. Isso porque o montante de R$ 22 bilhões se refere ao que é investido anualmente em toda a área da saúde. O boato que circula pelo WhatsApp usa uma foto do governador João Doria com empresários chineses, tirada numa viagem à China em 2019 (e não durante a pandemia).

A vacina de Oxford para imunizar todos os brasileiros custará R$ 6 bilhões. A vacina da China para imunizar apenas o estado de São Paulo custou R$ 22 bilhões. Sorria, paulistas, nós estamos sendo roubados!”, diz a mensagem falsa.

+ Funko revela nova série de bonecos do Queen

A Secretaria de Saúde do Estado explica:

Não procede a informação que o governo do Estado de São Paulo vai gastar  R$ 22 bilhões para a vacinação contra a Covid-19. A dose da vacina do Butantan está estimada em U$ 10,3 dólares, e a expectativa é que sejam utilizadas 18 milhões de doses na primeira fase da campanha”, diz em nota.

O Ministério da Saúde também refuta o valor de R$ 6 bilhões contido na mensagem falsa. Em nota enviada, explica que “o governo federal liberou, em agosto deste ano, R$ 1,9 bilhão para a compra da vacina do laboratório AstraZeneca e R$ 2,5 bilhões para o Brasil aderir ao Covax Facility”.

A adesão do Brasil ao Covax Facility permitirá o acesso a, pelo menos, nove vacinas em desenvolvimento pelos laboratórios: Inovio, Moderna, Curevac, ThemisMerk, Oxford/AstraZeneca, Novavax, Universidade Queensland, Clover e Universidade de Hong Kong. Reforçamos que essas aquisições dependem da aprovação das vacinas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)”, diz o Ministério.

Fonte: G1 | Foto: Divulgação