É #FAKE que médico deixou cargo após falsear dados

Circula nas redes sociais um texto atribuído ao médico congolês Denis Mukwege, Prêmio Nobel da Paz em 2018, em que ele afirma ter deixado um cargo público em seu país ao ser pressionado a falsear dados da Covid-19. É #FAKE.

+ Kiko Loureiro lança novo single; ouça ‘Overflow’

Não posso sujar meu Prêmio Nobel da Paz por dinheiro. Fomos obrigados a considerar qualquer doença como coronavírus, qualquer morte. Além disso, o que mais me desagradou é que, depois de mais de 100 amostras, nenhuma saiu positiva. Tenho carreira a proteger e sou congolês de sangue. Ficar rico mentindo é pecado diante de Deus. Eu me demiti”, diz a mensagem falsa.

Tal afirmação jamais foi feita por ele. De março a junho, Mukwege, um ginecologista da República Democrática do Congo agraciado com o Nobel em 2018 pela atuação na defesa de mulheres que sofreram violações sexuais em tempos de guerra, foi vice-presidente da Comissão Multissetorial e presidente da Comissão de Saúde de combate ao coronavírus na província de Kivu do Sul. Ele, de fato, deixou o posto, mas em nenhum momento afirmou que a decisão se deveu ao fato de ser pressionado a mentir sobre dados, atribuindo à Covid-19 óbitos que tiveram outras causas. O boato também foi checado por agências internacionais como a AFP e a Reuters.

Fonte: G1 | Foto: Divulgação