É #FAKE que máscaras têm baixa filtragem de vírus

Circula nas redes sociais o vídeo de um homem que se diz médico e afirma que as máscaras usadas para conter a propagação da Covid-19 têm nível de filtragem do coronavírus “irrisória”, e que seu uso faz “mais mal do que bem”. É #FAKE. A utilização da máscara, feita de material adequado e cobrindo nariz e boca, é recomendada pela Organização Mundial de Saúde e pelo Ministério da Saúde como forma eficaz de se reduzir a transmissão do Sars-CoV-2. Médicos reiteram a orientação quanto ao uso do item de proteção. Além disso, a utilização passou a ser obrigatória em julho, por lei federal, em espaços públicos, como ruas e praças, nos transportes e em locais privados com acesso público, como no caso do comércio. A medida vale enquanto durar a pandemia do coronavírus no país.

+ Dexter | Retorno se passará 10 anos após fim da série

O uso de máscara é altamente controverso. Pode fazer sentido se você estiver doente. Mas pessoas saudáveis usarem máscara em ambientes abertos é um absurdo. O uso da máscara continuamente causa diversos problemas: baixa oxigenação no sangue, faz re-circular o gás carbônico, causa arritmias cardíacas, refluxo… a taxa de sucesso da filtragem do vírus é irrisória. Esse tipo de atitude está fazendo muito mais mal do que bem. É sem sentido”, afirma o homem no vídeo fake.

Segundo especialistas, não há malefícios no uso rotineiro da máscara, só benefícios; da mesma forma, não há por que falar em prejuízo às trocas gasosas que se dão na respiração. A “taxa de filtragem”, claro, não é 100%, mas a medida é considerada importante para frear a pandemia.

Fonte: G1 | Foto: Divulgação