Duff McKagan explica músicas machistas do Guns N’ Roses

Duff McKagan, baixista do Guns N’ Roses, concedeu uma entrevista ao Yahoo nesta terça-feira (28). Ele falou um pouco sobre Last September. A nova canção narra a história de uma garota que sofre assédio no trabalho, e é uma homenagem ao movimento #MeToo, que inspirou diversas mulheres a falarem sobre abuso sexual em ambientes de trabalho. A entrevistadora comparou a faixa à músicas do Guns N’ Roses lançadas na década de 1980, quando “nada tinha proteção – drogas, agulhas, sexo, tudo isso”, conforme descreveu McKagan. Porém, o astro enfatizou que tanto ele quanto os colegas de banda sempre repudiaram o sexismo, racismo e homofobia comuns à época, e as letras eram mal interpretadas.

+ Jessica Jones | Temporada final ganha teaser e data de estreia

Algumas músicas antigas do Guns N’ Roses têm letras bem polêmicas e cheias de insultos e que contrariam a declaração do músico. I Used To Love (1988), por exemplo, diz “eu costumava ama-la, mas tive que matá-la”. McKegan justificou dizendo que as letras eram uma crítica a atos sexistas e machistas, e que ficava desapontado quando os ouvintes não entendiam as composições.

Sei que muita coisa acontecia [nos anos 1980], Harvey Weinstein [produtor acusado de abuso dezenas de vezes], e todas essas coisas, mas nós odiávamos isso. Se víssemos algo assim acontecendo do nosso lado, impedíamos. Éramos boas pessoas. Nenhum dos nossos amigos [diziam coisas sexistas], sabe? É idiota e estúpido dizer algo assim, pra qualquer cara. E sempre pensamos. Então, anos 1980 ou agora… Eu poderia ter escrito ‘Last September’. Espero que agora as pessoas possam rever essas músicas do Guns N’ Roses e pensar ‘é brilhante e muito corajoso que Axl Rose tenha se imposto e feito isso”, disse o baixista.

Fonte: Rolling Stone | Foto: Divulgação