Chicão, filho de Cássia Eller, é considerado mais novo talento da MPB

Francisco Ribeiro Eller, o Chico Chico, nascido e criado no Rio de Janeiro, é um cantor e compositor que no auge dos seus 21 anos já tem muita história pra contar, e cantar. As semelhanças físicas e no jeito de cantar e o temperamento tímido como o da mãe, Cássia Eller, vêm sendo ressaltados desde que ele começou a se apresentar em público.

Chico prefere que o foco seja a música, afinal, é dela, e dos encontros pessoais em torno dela, que o estudante de Geografia parece extrair mais alegria e deleite. “Entendo a curiosidade, e também teria. Mas me incomoda. É muito nítido para mim por que essas coisas acontecem. Eu sou filho dela, mas não é o que eu procuro. Não é legal quando o espaço que você tem é por causa da sua mãe. É como estar numa festa para a qual você não foi convidado.”

O violonista Rodrigo Garcia diz que as comparações são injustas: “Conheço as vozes da Cássia e do Chico a fundo, e não acho que se pareçam. Fora que ela com 40 anos não compunha como ele, e cantava mil vezes mais. Tem que parar com esse papo!”.

Foi Cássia quem uniu Chico e Garcia. O músico, que tocaria com ela de 1997 até o fim da vida, e participou de três de seus CDs, conhecera Cássia um ano antes de o filho nascer. Na maternidade, lá estava ele, que seria nomeado padrinho.

Chico Chico começou integrando bandas como Zarapatéu (grupo de música brasileira fundado em 2008 com o qual chegou a gravar um raro EP) e Uzoto (banda de rock carioca formado em 2009). Após a dissolução dos grupos, começou a investir num projeto mais pessoal com estilo muito mais particular e ainda assim abrangente.

Ele começou a compor não faz muito tempo, mas sempre gostou de escrever. Desde os 15 anos,  Chico teve banda. Tem 20 músicas compostas e dez (uma, com o parceiro Kadu Mota) estão no CD do 2×0 Vargem Alta, produzido por Garcia e com participação de JúliaVargas. O nome do grupo faz alusão a uma gíria de São Pedro da Serra, localidade bucólica da Região Serrana do Rio onde fica o sítio onde Garcia mora, e frequentada por Chico desde criança.

Seu repertorio é basicamente autoral, passeia pelo Morro de São Carlos com Luiz Melodia e encontra Crosby, Stills and Nash pra uma jam session imaginária na Califórnia. A influência essencial é o folk como pode-se ouvir em “As Folhas da Praça Paris”, mas há elementos evidentes do rock e blues, como“Notas de Cem” ou “Quanto Calor”, e da música brasileira de forma geral, inclusive “Amor Pra Dar” um delicioso forró.

Ouça “As Folhas da Praça Paris”:

Fonte: Faro MPB / O Imparcial