Aretha Franklin entra para a história do Pulitzer ao ganhar prêmio póstumo

Quase um ano após a morte, Aretha Franklin ganhou um prêmio Pulitzer por sua contribuição à música e cultura. A cantora morreu em agosto de 2018, aos 76 anos, após uma longa batalha contra um câncer de pâncreas Ela foi anunciada como vencedora na última segunda-feira (15), e exaltada por sua “incrível contribuição à música e cultura americanas por mais de cinco décadas”. Não há dúvidas de que receber um Pulitzer é uma grande honra, mas mais louvável (ainda que um tanto atrasado) é o fato de Aretha ser a primeira mulher em carreira solo a vencer na categoria desde 1930, quando a cerimônia foi instaurada. Anteriormente, já venceram o prêmio John Coltrane em 2007, Bob Dylan em 2008 e Kendrick Lamar em 2018.

+ Keanu Reeves já teve uma banda (que foi muito vaiada em festival de metal)

Em um evento voltado a homenagear a cantora, Stevie Wonder enalteceu o talento da amiga com versões de As e The Lord’s Prayer.

O que precisamos fazer hoje, não apenas nessa nação, mas no mundo inteiro, é transformar o amor em algo grandioso novamente, porque a vida dos negros importam. Porque todas as vidas importam. Foi isso que Aretha disse ao longo de sua vida inteira. Apesar das dores, ela nos deu alegria”, disse Wonder.

Fonte: Rolling Stone | Foto: Carolyn Kaster