12 anos de Escravidão | Diretor ouviu que ‘filme com negros não dá dinheiro’

Steve McQueen, diretor do aclamado 12 Anos de Escravidão (2012), quase não conseguiu realizar a produção, como relatou ao The Big Issue desta semana. Nenhum estúdio queria aceitar a proposta – majoritariamente pelo filme ter um elenco com protagonistas negros.

Me disseram que um filme com protagonistas negros não daria nenhum dinheiro internacionalmente, especialmente um sobre escravidão – e isso dito por alguém que apoiava o filme!

McQueen insistiu no longa. E foi uma ótima ideia: 12 Anos de Escravidão foi indicado a nove Oscar, e ganhou três. Venceu, também, dois BAFTA e um Globo de Ouro. Além de abrir portas para outros cineastas.

+ Parasita | Filme chega ao Hulu em abril

[Desde 2012] esse panorama mudou muito. Fico bem grato. Ganhamos Melhor Filme [no Oscar] e me orgulho disso, mas o que aconteceu depois me orgulha mais ainda. Foi difícil fazer esse filme. Os atores se arriscaram. Mas de vez em quando você precisa provocar. Penso sobre minha arte e meus filmes, e, para mim, é sempre um risco. Você precisa se jogar e experimentar”, admite McQueen.

Embora os prêmios relutem (no Oscar 2020 somente Harriet tinha protagonista negra), não é verdade que um filme com pessoas negras não lucra. A começar por 12 Anos de Escravidão: custou US$ 18 milhões, e teve retorno de US$ 178,1 milhões – quase 10 vezes mais. Pantera Negra (2018) é a maior bilheteria de filmes solo de heróis da Marvel, e a 5ª maior do estúdio (os quatro filmes dos Vingadores dominam); Corra! e Nós, de Jordan Peele, são considerados dois dos melhores filmes de terror da década de 2010 – além de terem arrecadado, respectivamente, US$ 255,5 milhões e US$ 255,1 milhões.

Fonte: Rolling Stone | Foto: Divulgação