Viúva de Chris Cornel, diz que morte do músico era evitável

A viúva de Chris Cornell, Vicky Cornell, participou, recentemente, de um debate sobre a epidemia e os perigos de opioides, na sede da Organização das Nações Unidas (ONU). Na conversa, ela disse que a morte do músico era evitável, e colocou a batalha contra o vício como fator principal que teria levado seu marido a cometer suicídio. Desde o acontecimento, em 2017, Vicky tem se mostrado ativa e vocal na luta contra as drogas. Ela evidencia a importância de acabar com as ideias equívocas sobre aquilo classifica como “uma doença totalmente prevenível e tratável”. Durante o encontro, ela contou que “apesar de apoiar meu marido em sua recuperação, tinha muita coisa que não sabia. Vicky comentou que, desde a morte trágica do marido, se comprometeu a aprender sobre a ciência do cérebro, e sobre tratamento e recuperação. A viúva de Chris Cornell aproveitou o momento para elaborar mais sobre o assunto.

Chris tinha uma doença cerebral chamada vício, e teve a má sorte de confiar em um médico que não sabia o necessário sobre vício. Todos nós confiamos nos nossos médicos, principalmente quando eles têm prêmios pendurados nas paredes. Queria ter descoberto antes que benzodiazepina atrapalharia na recuperação [de Chris]. Ele recebeu do médico uma prescrição com alta dosagem desse psicotrópico que não se deve receitar para pessoas nesse tipo de recuperação, e isso causou uma recaída”, opinou.

Rock in Rio | Contrato de 1984 gera rumores sobre Ozzy Osbourne na edição 2019

No começo do mês, amigos e familiares se reuniram para uma homenagem ao músico. O evento, que teve cinco horas de duração, contou com shows e participações do Foo Fighters, Metallica, Jack Black, Miley Cyrus, Fiona Apple, Chris Stapleton, Miguel e Adam Levine.

Fonte: Rolling Stone | Foto: Aaron Gilbert