Investigações revelam que James Brown pode ter sido assassinado

Uma nova investigação, liderada pela CNN, sugere que James Brown foi assassinado. A informação oficial, divulgada à época da morte do músico, Brown teria morrido na manhã de Natal em 2006, depois de ser internado no Hospital Emory Crawford Long, em Atlanta, em decorrência de uma pneumonia. No entanto, a nova investigação sugere que o cantor pode não ter morrido de causas naturais. Quase 140 pessoas foram entrevistadas e diversas páginas de gravações da polícia e de tribunais também vão ser incluídas ao processo. Testes forenses e 1.300 páginas de mensagens de texto também fazem parte da investigação. Ao todo, 13 pessoas se manifestaram por não acreditarem que James Brown tenha morrido de causas naturais e pedem uma nova investigação criminal sobre o caso – ou que o seu corpo seja exumado para uma autópsia.

Apenas 17% das 100 músicas mais ouvidas foram feitas por mulheres, diz pesquisa

A nova apuração começou em 2017, depois que um repórter da CNN foi contatado por uma artista de circo e cantora chamada Jacque Hollander. Ela disse ao canal que tinha informações sobre a morte de Brown. Jacque revelou mais tarde que ela e Brown haviam trabalhado juntos nos anos 1980. Ela acusa o músico de, em 1988, tê-la estuprado. Brown nunca foi processado por esta acusação, mas Jacque revelou ter salvado documentos, fitas e provas envolvendo James Brown e seus associados. Ela alegou ter sido ameaçada caso falasse algo. Em 1995, a artista circense também fez um teste de polígrafo com um ex-agente do FBI sobre as acusações.

Fonte: Rolling Stone | Foto: AP