Greta Van Fleet terá influência de Caetano Veloso em novo disco

Há tempos uma nova banda de rock não era tão celebrada no mundo. A sonoridade que lembra grupos clássicos dos anos 1960 e 1970 conquistou jovens que não se encontravam no pop ou no rap, por exemplo, além de ter resgatado o fanatismo em pessoas que viveram aquela época. Durante uma passagem meteórica pelo Brasil, em que se apresentou no Lollapalooza e ainda fez shows solo em São Paulo e no Rio de Janeiro, o Greta Van Fleet conversou com diversos veículos de comunicação, entre eles o portal Tenho Mais Discos Que Amigos. Em entrevista, o baixista do grupo, Sam Kiszka foi questionado se podia revelar algo do próximo disco bem como o que a banda tem escutado e que pode servir de inspiração para o nosso trabalho. E o cara respondeu:

+ Mick Jagger publica primeira foto após cirurgia cardíaca

Ter vindo pra América do Sul ajudou muito. Eu estou muito animado ouvindo Caetano Veloso, por exemplo. A música indígena e folk do Chile também é muito interessante. A gente sempre busca conhecer o que é clássico do país que estamos visitando, assim como a cena atual da música contemporânea. Tudo isso ajuda a ampliar a nossa mente musical. É natural que às vezes a gente fique preso e teimoso ouvindo só as coisas que a gente já gosta, então é sempre bom expandir. Mas, sim, nós já temos uma noção de como o próximo disco vai soar. Nós vamos dar um passo na direção de algo mais “cinematográfico”. Uma produção de escala maior”, disse Kiszka que também revelou que um novo trabalho está sendo preparado para 2019.

A entrevista completa com o baixista da Greta Van Fleet, Sam Kiszka, pode ser conferida, na íntegra, aqui.

Fonte: TMDQA | Foto: Aline Krupkoski