Filme sobre ‘cura gay’ é cancelado no Brasil e causa revolta na web

O filme Boy Erased estava previsto para estrear nos cinemas brasileiros entre janeiro e fevereiro. Mas a Universal, decidiu lançar o longa direto em home vídeo no Brasil, causando revolta na internet. Como a obra conta a história de um jovem que passou por programa de “cura gay”, muitos começaram a chamar o ato de censura e um reflexo da onda conservadora no país. A Universal, entretanto, negou que o conteúdo da história tenha pesado na decisão. Por meio de sua assessoria de imprensa, a empresa disse que não vai lançar a obra “nos cinemas única e exclusivamente por uma questão comercial baseada no custo de campanha de lançamento versus estimativa de bilheteria”. A empresa ainda citou outro caso de filme elogiado no exterior e que não vai ser exibido nas telas nacionais: Bem-vindos a Marwen.

José Padilha trabalha em filme sobre família Gracie para a Netflix

Boy Erased, dirigido por Joel Edgerton, é inspirado no livro de memórias escrito pelo americano Garrard Conley. Aos 19 anos, o escritor, que é filho de um pastor batista, foi mandado para um centro de inspiração religiosa que se propõe a “converter” homossexuais. Hoje, ele milita contra esses tipos de terapias. Nos Estados Unidos, Boy Erased foi lançado em novembro e ocupou 672 salas -número modesto para os padrões do país e menos de 1/4 do que Bohemian Rhapsody, por exemplo. No Globo de Ouro, o filme emplacou duas indicações: melhor ator de drama, para Hedges, e melhor canção. Não levou nenhum prêmio e também ficou fora também do Oscar.

Fonte: Notícias ao Minuto | Foto: Divulgação