Documentário sobre Whitney Houston revela segredos e acusações familiares

O documentário Whitney, lançado no festival de Cannes em maio e em cartaz nos cinemas americanos, conta, na maior parte do tempo, a já conhecida história de ascensão e queda da talentosa cantora Whitney Houston. Até que, nos 30 minutos finais, traz revelações fortes que tornam o filme não apenas arrebatador e triste, mas também importante. Houston foi uma das artistas com o maior número de álbuns vendidos no século XX, mas o vício em drogas acabou fazendo de seus últimos anos de vida mais um assunto de tabloides do que musical – até que, em 2012, ela morreu afogada em uma banheira de hotel aos 48 anos de idade.

+ Mick Jagger vai a jogo da Copa do Mundo e família se revolta com Galvão Bueno

O diretor Kevin Macdonald, conhecido tanto por documentários (como Touching the Void e Marley) quanto por filmes (O Último Rei da Escócia e Intrigas de Estado), questiona em Whitney por que a cantora jamais foi capaz de se desvencilhar de seus vícios. E como alguém que parecia tão radiante, feliz e vivaz nos palcos poderia ser, na verdade, tão torturada emocionalmente. Em público, a cantora personificava a “queridinha da América”, de origem em uma boa família cristã. Mas, nos bastidores, vídeos caseiros mostram como suas piadas espirituosas acabavam virando conversas sob efeito de drogas.

Fonte: G1