Dave Mustaine rebate acusações de homofobia

Dave Mustaine concedeu uma entrevista esta semana, na qual falou sobre alguns comentários considerados homofóbicos, em 2012. Na época, o líder do Megadeth foi questionado sobre casamento gay. Ele disse que não apoiava por não ser gay, e também não achava que devia ser legalizado. O músico justificou o posicionamento alegando ser “cristão”. Na entrevista, Mustaine relembrou a entrevista de 2012 e tentou explicar o que disse.

Eu estava em Seattle, falando com uma rádio, não era nem um programa de música. E o radialista perguntou ‘o que você acha do direito dos gays?’ e eu disse ‘cara, eu sou hétero, casado, feliz, isso não se aplica a mim, não sei, me pergunta outra coisa’. E aí ele disse ‘ah então você não apoia os direitos dos gays?’ e eu ‘eu nunca disse isso, só disse que sou hétero’. O [jornalista] perguntou ‘então você é contra gays?’ e eu respondi que sou contra [eu] ser gay, foi só o que eu disse, e agora a comunidade gay acha que os odeio”, explicou.

+ ‘Guns N’ Roses não deve opinar sobre política’, acredita Duff McKagan

Para exemplificar o que disse sobre religião, Mustaine também trouxe à tona a polêmica do aborto.

Pelo padrão que as pessoas têm de cristianismo, eu nunca seria cristão, porque religiosos deveriam ser contra o aborto. Mas se minha filha fosse estuprada, ou a vida dela estivesse em risco por conta da gravidez, eu sempre protegeria a vida da mãe. Eu tenho alguns desses conflitos”, revelou o líder do Megadeth.

O Megadeth vem ao Brasil em 2019 para tocar no dia 4 de setembro, o Metal Day do Rock in Rio.

Fonte: Rolling Stone | Foto: Leandro Anhelli