‘Bohemian Rhapsody’ faz Queen ficar mais rico do que nos tempos de Freddie Mercury

Desde o lançamento da cinebiografia Bohemian Rhapsody no final de 2018, o Queen recebeu grandes atenções e um enorme crescimento de sua popularidade atual. Mas não foi só isso que cresceu: suas contas bancárias também. De acordo com a Rich List 2019 [Lista dos Ricos] do Sunday Times, o valor acumulado por Brian May, Roger Taylor e John Deacon atualmente é de £ 445 milhões (mais de R$ 2 bilhões). É o maior capital desde o início da banda. E apesar de Freddie Mercury não estar mais vivo, o nome também recebeu uma quantia de R$ 200 milhões dos direitos do filme. O dinheiro foi para Mary Austin, ex-esposa e herdeira de grande parte da fortuna do cantor, e também de 50% dos seus ganhos póstumos. A banda agora acumula mais do que a rainha britânica, Elizabeth II. A fortuna da monarca é estimada em £ 370 milhões (cerca de R$ 1,9 bilhão).

+ Brian May sugere novo Live Aid para combater mudanças climáticas

A estimativa é que o Queen continue bem de vida no decorrer de 2019. O esperado é que cada um dos membros ganhe cerca de R$ 129 milhões, acumulando quase R$ 400 milhões na soma. Boa parte dessa grana vem dos direitos autorais de Bohemian Rhapsody. A bilheteria do filme acumulou mais de R$ 3 bilhões de reais mundialmente, de acordo com o Variety. Com isso, consagra-se entre os 100 filmes com melhor bilheteria, colocando-se no 53º lugar, ficando imediatamente à frente de Harry Potter e o Cálice de Fogo e atrás de Shrek 2. Com tanto sucesso, os integrantes do Queen estão animados para uma sequência. Rudi Dolezal, cineasta responsável por diversos vídeos da banda, disse ao Page Sixque o tópico é frequente nas conversas, e o filme começaria a partir do Live Aid, apresentação icônica do grupo mostrada no final do Bohemian Rhapsody.

Fonte: Rolling Stone | Foto: Divulgação