Acusado de assédio, Geoffrey Rush vence processo contra mídia australiana

A Justiça da Austrália decidiu nesta quinta-feira (11) a favor do ator Geoffrey Rush, que processou um veículo de imprensa local por acusá-lo em 2017 de assediar uma colega de trabalho, considerando que a queixa era “extravagante” e “sensacional”.

Essas foram peças de jornalismo sensacionalista da pior espécie”, disse o juiz Michael Wigney, do tribunal federal australiano, lendo a decisão de 200 páginas na cidade de Sydney.

O ator australiano, vencedor do Oscar com o filme Shine: Brilhante, processou a empresa Nationwide News, proprietária do Daily Telegraph e subsidiária da News Corp Australia, e o jornalista Jonathan Moran por dois artigos acusando-o de “comportamento inapropriado” com uma atriz não identificada, que foram publicados em novembro de 2017. No processo, soube-se que a suposta vítima era a australiana Eryn-Jean Norvill, que estrelou com Rush a peça Rei Lear na Companhia de Teatro de Sydney entre novembro de 2015 e janeiro de 2016. Ela assegurou que, durante um ensaio, o ator fez gestos lascivos sobre seu corpo. O juiz Wigney considerou que o testemunho da atriz, a quem ele rotulou de “propensa a exagero”, “não era crível ou confiável”, e também dizia que os artigos que retratam Rush como um predador sexual não poderiam ser “corroborados e contraditórios”.

+ ‘A Lista de Schindler’ retorna aos cinemas brasileiros após 25 anos

O magistrado também ordenou uma indenização a favor do ator, conhecido pelo seu papel de Capitão Barbossa da saga Piratas do Caribe, por um montante inicial de 850 mil dólares australianos (cerca de US$ 608 mil). Este valor pode aumentar uma vez que se estabeleça quanto foi afetado profissionalmente pelos artigos. Rush não atua desde a publicação dos artigos e, segundo seus advogados, ele já perdeu cerca de 5 milhões de dólares australianos (US$ 3,58 milhões) em receitas. Ao deixar o tribunal, Geoffrey Rush, que esteva presente durante a leitura da decisão ao lado de sua esposa, disse estar satisfeito, mas ressaltou que “não há vencedores, pois foi extremamente angustiante para todos” e agradeceu a família pelo apoio durante o processo.

Fonte: G1 | Foto: Dean Lewins